Obra de transposição do rio São Francisco vaza e governo evacua 2.000 pessoas no CE

Cerca de 2 mil pessoas foram retiradas de suas casas na região de Jati, no Ceará, na madrugada deste sábado, 22, após o rompimento de uma tubulação de uma barragem, na noite de sexta-feira, 21. A estrutura foi construída para receber águas da Transposição do rio São Francisco e abastecer o Ceará.

O trecho da transposição no sertão cearense foi inaugurado, em 26 de junho, pelo presidente Jair Bolsonaro (sem partido) e seu ministro do Desenvolvimento Regional, Rogério Marinho.

O Ministério do Desenvolvimento Regional (MDR) confirmou o rompimento e frisou que o vazamento já foi solucionado e que a evacuação ocorre de forma preventiva, “zelando pela preservação de vidas em primeiro lugar”, diz a nota do órgão. As pessoas que moram em um raio de dois quilômetros ao redor do reservatório foram evacuadas.

tubulação ceará

Crédito: ReproduçãoCeará: 2 mil pessoas são evacuadas de suas casas após tubulação romper

O estouro da tubulação ocorreu após falha em uma das tomadas d’água que controlam as comportas de vazão do reservatório. Com o vazamento, o sistema elétrico da barragem ficou comprometido e foi necessário a instalação de um gerador para garantir que a comporta fosse fechada, interrompendo o vazamento. Técnicos de manutenção e engenheiros da obras estão no local desde o início do vazamento na tarde de sexta-feira, 21.

A evacuação ocorre horas após o próprio Ministério do Desenvolvimento Regional anunciar que engenheiros da obra e técnicos da Defesa Civil de Jati terem pontuado que o vazamento não teria gerado qualquer risco de rompimento da barragem. A ruptura ocorreu um dia após a comporta do reservatório Jati, no Interior do Ceará, ser acionada para liberar as águas do São Francisco para o abastecimento do Estado.

Segundo a pasta, os moradores estão sendo comunicados da necessidade de se retirarem do local por meio de carros de som que percorrem as vias da cidade. Profissionais da Defesa Civil e trabalhadores da empresa que gerencia a barragem foram convocados para ajudar na divulgação do alerta, visitando residência por residência.

As famílias receberam auxílio para se deslocarem em direção a hotéis, pousadas e alojamentos na região ou para irem até a casa de parentes e amigos que morem mais afastados da barragem, segundo informou o MDR. A situação deve se manter “até que sejam feitas todas as avaliações técnicas das estruturas do reservatório”, pontuou o ministério.

Fonte: Catraca Livre

LEIA TAMBÉM

Deixe um comentário